Publicidade
ad
Compartilhar
Últimos guias
Publicidade
ad

Depois de 8 longas semanas, com direito a uma Super Week, a fase inicial do VCT Américas chegou ao fim e tivemos os 6 times classificados. LOUD e FURIA foram um desses times, junto de Leviatán, Cloud 9, NRG e Evil Geniuses. Confira como foram os jogos dessa última rodada, que teve definição de classificação até o último jogo.

Sentinels x FURIA – Série apertada valendo vaga

Para começar a rodada, uma partida bem aguardada, Sentinels contra FURIA. As duas equipes estavam buscando uma vaga nos playoffs, mas com situações diferentes. A equipe norte-americana precisava de uma combinação de resultados específicos, para se classificar. Enquanto isso, a FURIA apenas precisava de uma vitória, não importava o resultado.

A Sentinels acabou se saindo vitoriosa, mas não conseguiu a sua classificação, pois os resultados acabaram não sendo ao seu favor. Enquanto que, mesmo com a derrota, a FURIA precisava que a NRG ou a MIBR ganhassem, o que acabou acontecendo ambos os resultados.

O primeiro mapa da série foi a Split, escolhida pela Sentinels. Depois das mudanças de composição de jogadores, o time norte-americano teve um grande crescimento. Na série, foi possível ver isso, mais uma vez. Durante a primeira metade, a Sentinels dominou o lado atacante. Que acabou sendo visto no resultado parcial, de 9-3.

Quando os lados viraram, a FURIA buscou voltar no jogo, ganhando as rodadas iniciais. Contudo, o ritmo da Sentinels estava muito acelerado e eles souberam aproveitar bem da vantagem conquistada. Com isso, o mapa finalizou rapidamente, por 13-7, deixando a série em 1-0.

Agora, se a Split foi um mapa dominado pela Sentinels, a Haven foi dominada pela FURIA. Os brasileiros conseguiram começar o mapa em uma forma bem acelerada. Mesmo perdendo os dois rounds iniciais, eles continuaram o seu ataque, conquistando uma larga vantagem. O mapa virou com um placar de 8-4, deixando a Sentinels em uma situação complicada.

Na troca de lados, a Sentinels ainda não havia conseguido entender o ritmo da FURIA. A sua defesa continuava bem forte, com um controle de espaço bom, fora o entendimento de rotação. Dessa forma, sem deixar os adversários respirarem, a Pantera fechou o mapa em um 13-5 e levou a decisão da série para a Bind.

Por fim, chegou a vez da Bind, que foi o famoso teste para cardíacos. As duas equipes começaram a jogar com tudo, dando um espetáculo, do início ao fim. Logo na primeira metade, foi possível ver como o mapa seria disputado. Enquanto a FURIA dominou o início e o final, a Sentinels comandando a parte do meio.

Para comprovar o tamanho da disputa, o mapa terminou empatado, levando para uma prorrogação enorme, a maior do VCT Américas. As duas equipes estavam mostrando um processo de adaptação constante, buscando surpreender os seus adversários. No final, a Sentinels conseguiu entender o que devia ser feito e finalizou o mapa por 19-17.

Destaque da série para o duelista canadense, TenZ, que mostrou que o tempo fora foi o suficiente para a sua recuperação.

LOUD x Leviatán – LOUD vence e marca o primeiro lugar

Logo em seguida era a vez da LOUD entrar em jogo. Mesmo classificada, essa partida era a definição de quem iria terminar a primeira fase em primeiro lugar. Caso a LOUD fosse derrotada, por qualquer tipo de placar, a Cloud 9 iria assumir a liderança do campeonato. Porém, a realidade foi aquela esperada pelos brasileiros e a LOUD fez mais uma vítima no VCT Américas.

Foram apenas dois mapas jogados, Haven e Ascent, com resultados bem favoráveis para o time brasileiro. Mesmo derrotados, a Leviatán conseguiu se classificar, ficando em 4º lugar e com a pontuação de 4 vitórias e 5 derrotas, a mesma da FURIA, Evil Geniuses, Sentinels e 100 Thieves. A diferença ficou nos critérios de desempate, que eram confrontos diretos e saldo de rounds.

Durante a Haven, vimos uma LOUD impondo um ritmo de jogo bem forte. A equipe estava bem presente, com uma série de ataques rápidos. A Leviatán estava buscando entender o jogo, criando defesas mais concentradas e buscando algumas rotações. Contudo, a força do time brasileiro era forte demais e finalizou a primeira metade por 8-4.

Quando os lados inverteram, a Leviatán começou a gostar do jogo e aproveitou da vantagem atacante do mapa. Além de ganhar os dois rounds iniciais, conseguiu ganhar o terceiro. Contudo, o sonho da virada parou por aí. A LOUD retomou as rédeas e finalizou o mapa rapidamente. O placar final foi de 13-7, deixando a Verduxa 1-0 na série, no mapa de escolha adversária.

Por fim, chegou o momento da Ascent, um dos mapas preferidos da LOUD. Começando no lado atacante, a representante brasileira começou a repetir o feito do mapa anterior. Após perder os rounds iniciais, eles compreenderam o estilo adversário e dominaram. Os ataques eram bem rápidos, sempre aproveitando de pequenos erros adversários. A primeira metade terminou em 9-3, deixando eles em uma vantagem bem grande.

Na virada, a Leviatán tentou responder a defesa da LOUD. Eles fizeram alguns pontos no ataque, mostrando que estavam buscando controlar e voltar para o mapa. Contudo, a LOUD foi implacável e sabendo da possibilidade de crescimento adversário, se adaptou e fechou o mapa, por 13-5. Com isso, a LOUD cravou a primeira colocação do VCT Américas, classificando para os playoffs, diretamente na semifinal.

O MVP da série foi para o capitão e manito do time, saadhak, que fez ótimas partidas com a sua Viper e Kay/O.

MIBR x 100 Thieves – MIBR lutando do início ao fim

Para finalizar a etapa inicial do VCT Américas, tivemos a partida entre 100 Thieves e MIBR. Essa partida valia muito para dois times, a 100 Thieves e a Evil Geniuses, que precisavam do resultado para se classificar. Caso a MIBR vencesse, a EG iria conseguir a classificação. Por outro lado, a 100T precisava da vitória, para classificação.

Enquanto isso, a MIBR já estava eliminada e esse jogo não significava tanto para eles. Ou seja, como eles mesmo disseram, entraram no servidor sem peso. Isso foi possível durante a série, com os jogadores bem sorridentes e uma mudança clara no estilo de jogar. Os mapas jogados foram Fracture, Pearl e Lotus.

No primeiro mapa, já começamos ver uma nova MIBR. Mesmo o mapa sendo uma escolha da equipe adversária, quem estava no comando, era a equipe brasileira. Os seus ataques eram bem planejados, sempre analisando as brechas inimigas. A 100 Thieves até conseguia encontrar algumas respostas, mas não estava adquirindo vantagem. No final, os brasileiros venceram o mapa por 13-6.

Em seguida, tivemos a Pearl, escolhida pela MIBR. O mapa é conhecido por ter um ataque forte, mas o que dominou, dessa vez, foi a defesa. Na primeira metade, a MIBR estava com a leitura em dia. Souberam entender o ritmo adversário e fez ótimas defesas, em que, na maior parte delas, eram após o plant da Spike. Com isso, eles finalizaram a primeira metade por 8-4.

Quando os lados viraram, foi o momento da 100 Thieves brilhar. A MIBR chegou a fazer 12-6, ficando em situação de match point. Contudo, a defesa norte-americana estava implacável. Eles foram conquistando ponto a ponto, levando a decisão para a prorrogação. Além disso, no overtime, eles fecharam o mapa rapidamente, por 14-12, empatando a série.

Por fim, chegou a vez da Lotus, um mapa que ficou recheado de grandiosas jogadas. Assim como a Pearl, Lotus é conhecido por ter um ataque mais forte. São três regiões de bombs, facilitando as escolhas e rotações. Além disso, o domínio da região do jardim, no bomb A, é melhor para o ataque.

Entendendo isso, a MIBR preparou uma defesa forte. Eles fizeram 5-0 e já sabiam que haviam conquistado muito. Contudo, isso não era o suficiente e eles buscaram mais. A 100 Thieves também não estava deixando a vantagem aumentar. Usaram bem do ataque e deram uma freada nos brasileiros, que fecharam a primeira parte por 7-5.

Então, na troca de lados, foi o momento da MIBR brilhar. Cada rodada era uma comemoração grande, mostrando uma equipe mais solta. Era tanta sincronia, que a 100 Thieves estava encontrando muitas dificuldades. Por fim, quando o placar estava 12-7, TxoziN, jogador que estava como reserva da equipe, fez uma jogada maravilhosa.

Sabendo que a 100 Thieves estava defusando a Spike, ele avançou na direção dos inimigos, atirando pela fumaça. Contudo, ele não conseguiu matar ninguém. Então, ele teve a ideia perfeita, avançou com a faca na mão e eliminou quem estava na Spike. Além disso, ele puxou a sua Classic e ainda matou quem estava defusando novamente. Com isso, ele fechou o mapa, dando a vitória para a sua equipe, por 13-7.

Mesmo com tantas jogadas boas, o MVP não foi para o TxoziN, mas para outra lenda da série, o mago RgLM. Ele dominou o jogo com os seus controladores, Brimstone, Harbor e Omen.

Fase finalizada e tabela dos playoffs

Tabela final do VCT Américas, com a posição final de todos os times
Tabela final do VCT Américas, com a posição final de todos os times – Fonte: Reprodução/VALORANT Esports Brasil Twitter

Com isso, foi finalizada toda a primeira fase do VCT Américas, definindo todos os confrontos dos playoffs. Uma das coisas que surpreendeu bastante os torcedores, foi a forma que o chaveamento ficou. Em uma parte, encontram-se FURIA, Leviatán e LOUD, três times da América do Sul. Enquanto que, na outra, está EG, NRG e Cloud 9, três times dos EUA.

Chaveamento dos playoffs do VCT Américas, com data dos confrontos
Chaveamento dos playoffs do VCT Américas, com data dos confrontos – Fonte: Reprodução/VALORANT Esports Brasil Twitter