Publicidade
ad
Compartilhar
Últimos guias
Publicidade
ad

A MIBR teve uma partida confusa contra a Leviatán, sendo derrotada por 2-0. Além da derrota, os placares elásticos deixaram um gosto amargo para os torcedores brasileiros. No fim do jogo, RgLMeister, jogador da MIBR, concedeu uma entrevista exclusiva. O jogador falou sobre o que aconteceu na série, contra a Leviatán, preparação para o jogo contra a Sentinels e outros detalhes, sobre estar nos EUA.

Para nós, competidores, foi um dia ruim

Matheus "RgLM" Rodigoli, jogador da MIBR de VALORANT, no VCT Américas
Matheus “RgLM” Rodigoli, jogador da MIBR de VALORANT, no VCT Américas – Fonte: Reprodução/VCT Americas Flickr

A MIBR teve uma partida bem atípica contra a Leviatán. Um dos pontos notados, foi a dispersão dos jogadores brasileiros. Além disso, os nossos hermanos estavam a todo vapor e muito bem preparados, com táticas rápidas e tomadas de decisões. RgLM conversou sobre a série:

Essa, definitivamente, não foi a MIBR que estávamos acostumados a ver. Hoje foi um dia ruim, sei admitir isso, não é nada parecido com o que apresentamos nas nossas últimas semanas. Uma coisa que eu consigo dizer que aconteceu, foi uma sequência de boas leituras, por parte da Leviatán. Além disso, a gente estava tentando muitas coisas, mas nada estava dando certo.

Basicamente, a gente tentou colocar o nosso ritmo de jogo, tentamos entrar com a confiança no máximo. Principalmente para o segundo mapa, mas nada encaixou pra gente hoje. Infelizmente, esses dias acontecem na vida de um jogador. Para nós, competidores, foi um dia ruim e agora temos que resetar porque domingo já tem mais.

Essa semana é a Super Week, no VCT Américas. Ou seja, duas rodadas em apenas uma, complicando a semana das equipes. Com isso, a rotina de treinos, análises, montagem tática e até folga acaba sendo prejudicada. Isso sem contar que, uma derrota, pode significar muito para a classificação para os playoffs.

Nós estamos acostumados com rotinas tão pesadas. Querendo ou não, a gente treina entre 9 a 12 horas por dia. Então, quando chegam momentos como esse, a gente busca ficar mais confortável possível. Claro que é cansativo e bem puxado, mas a gente tem que lidar com essas coisas. São ossos do ofício e, no momento, precisamos resetar a nossa cabeça e focar no nosso próximo objetivo, que é a nossa próxima partida, que vai ser contra a Sentinels.

Equipe da MIBR, durante o VCT Américas
Equipe da MIBR, durante o VCT Américas – Fonte: Reprodução/VCT Americas Flickr

Um dos pontos que pode ser notado no time da MIBR é a questão da evolução da equipe. Durante o LOCK//IN, a equipe foi eliminada muito cedo e com diversos erros na parte de execução. Quando foi chegando próximo ao VCT Américas, a dúvida, sobre a performance da equipe, ficou sendo levantada. Com os resultados chegando, bzka comentou que era apenas uma questão de tempo. RgLM comentou também sobre o assunto:

Acredito que sim, o que a gente precisava, como equipe, era tempo. E eu volto a ressaltar que o tempo foi nosso principal aliado. Infelizmente, hoje tivemos um dia ruim, mas isso é algo que acontece. Nós não podemos ficar abalados com isso. Temos muito campeonato pela frente.

Contudo, temos que, principalmente, estudar essa nossa derrota de hoje e usar ela ao nosso favor. Vamos buscar estudar os nossos principais erros, evoluir como um time e ficar bem estruturados para o próximo jogo. Então sim, posso afirmar, com razão, que o tempo é nosso maior aliado. Sabemos que ainda não estamos 100% e nem vamos estar, precisamos evoluir constantemente. Com isso, conseguimos notar que a gente tem bastante coisa para arrumar e o tempo vai ajudar a gente nisso.

Uma outra questão, que é muito levantada para os jogadores que estão presentes no VCT Américas, é o prestígio de estar na liga. Além de ser a oportunidade de estar jogando contra os maiores times da sua região, é a chance de buscar uma vaga para os campeonatos internacionais, Masters e Champions, sem ser pelo Ascension. RgLM comentou sobre a sensação de estar participando do VCT Américas:

Com toda certeza, é um prazer imenso poder jogar no VCT Américas. É como um grande sonho se realizando, entende? Estou nos Estados Unidos, fazendo o que eu mais amo e com os meus amigos. Isso sem contar que estou jogando dentro do mais alto nível, é muita responsabilidade. Eu estou muito feliz em estar aqui e sei que é uma oportunidade única e vou aproveitar cada pedaço.

Por fim, o jogador comentou sobre a sua próxima partida, que é contra uma das equipes que vem gerando muitas conversas, a Sentinels. Um dos motivos, é simplesmente por ter nomes de peso, como a dupla brasileira campeã mundial, Sacy e pANcada. Contudo, o maior motivo é por conta da performance da equipe norte-americana, que não vem sendo muito boa.

Não existe um adversário sequer que seja fácil aqui no VCT Américas. Nós estamos na liga mais disputada do mundo, com nomes bem fortes, então pode esperar que vai ser um jogo grandioso. Nós temos o bzka ao nosso lado, que conhece bem o Sacy e o pANcada. Além de ajudar nas táticas, ele vai nos fornecer muitas informações úteis para esse duelo.

Gosto de pensar que essa partida vai ser um grande jogo de xadrez. Vão ser dez jogadores calculando os seus movimentos ao extremo, só esperando uma pessoa bobear, para garantir o round. Então, podem esperar um jogão e espero poder levar essa vitória para a MIBR.